Análise de campanha publicitária

A análise de campanha publicitária ajuda a entender a linha de criação utilizada para alcançar determinados objetivos de marketing, porém algumas campanhas tropeçam em estratégias equivocadas e aí o resultado não vem.

Então, o que devemos analisar em uma campanha publicitária antes de colocá-la no ar?

Análise de campanha publicitária – Conheça o seu público-alvo

Antes de começar a criar uma campanha de publicidade, defina seu público alvo.

Quem são as pessoas que compram o seu produto? Afinal, a sua mensagem deve estar direcionada para o público-alvo e deve usar a linguagem mais eficiente para se comunicar com ele.

Tenha isso em mente no momento da criação.

Análise de campanha publicitária – Defina os objetivos da campanha

Esta é uma das partes mais importantes de um planejamento estratégico. É através dos objetivos que é possível compreender exatamente onde se deseja chegar.

Os objetivos devem ser: específicos, quantificáveis em termos numéricos, ter prazos determinados, delimitados em termos de mercado (zona geográfica e audiência), motivadores e principalmente realistas e atingíveis.

Dessa forma, as estratégias de como conseguir os resultados esperados tornam-se mais precisas.

Análise de campanha publicitária – Crie uma mensagem estratégica para alcançar as respostas esperadas

Toda campanha precisa de uma mensagem criativa que atraia o público, mas ao mesmo tempo tem que manter estratégias coerentes, alinhadas com os objetivos de marketing.

Parece simples, mas o difícil é ser criativo através de um conteúdo original, simples e cativante.  A linha de criação deve ser muito bem estudada para que atinja os objetivos propostos.

Análise de campanha publicitária – Atenção com o slogan

Ele é formado por uma frase simples e objetiva, mas tem que ter uma relação com o contexto.

 


Após conhecermos estes conceitos, como sugestão de estudo, vamos analisar a nova campanha publicitária da Wizard com o título: Wizpen- a caneta que fala inglês.

análise de campanha publicitária - Wizard

A Wizard já foi objeto de estudo por aqui veja a análise da campanha publicitária anterior.

Seguindo a mesma linha do anterior, o comercial da nova campanha mostra um garoto lendo um livro em inglês, quando a mãe lhe pergunta se ele está falando sozinho.
Ele responde que é fácil pois até a caneta da Wizard sabe falar.

A mãe indignada pergunta se por acaso a caneta é mágica.
A cena seguinte mostra que ao passar a caneta pelo texto ela faz a leitura em inglês do que está escrito. E o comercial termina com um convite para que o espectador conheça a (caneta) Wizpen, a única que fala inglês.

O pack-shot e assinatura incluem o slogan: “Wizpen a caneta que fala inglês. Só podia ser Wizard. ” juntamente com os endereços de algumas unidades da Wizard.

 

 

Analisando-se o comercial com base nos tópicos apresentados acima:

Público-Alvo – Podemos dizer que o comercial é direcionado para as crianças por enfatizar a facilidade de leitura com o uso da caneta, porém, com foco nos pais que são os decisores de compra.

Objetivos de campanha – Faltou especificidade neste tópico, pois não é possível identificar se o objetivo principal era divulgar a marca Wizard, a escola de idiomas ou a caneta Wizpen.

Mensagem estratégica – Como o objetivo não ficou bem definido, também fica confusa a mensagem e a estratégia utilizada para converter a comunicação em ação.

Durante todo o comercial o foco está na caneta.

Em termos tecnológicos, é realmente uma inovação o recurso utilizado pela Wizard para ajudar no aprendizado, porém dentro do contexto do comercial, qual é o papel da escola no aprendizado do idioma? Afinal, o garoto parece autodidata no aprendizado do inglês.

Sabemos que a Wizard não vai vender canetas e que talvez o convite para conhecê-la seja, na verdade, uma mensagem subjetiva para que o público vá visitar a escola, porém o uso de mensagens subjetivas exige cuidado redobrado para que a mensagem não passe uma ideia errada do que se deseja alcançar.

Solgan – “Wizpen a caneta que fala inglês. Só podia ser Wizard. ”

Novamente temos um direcionamento confuso onde o foco está na caneta (e nem faz associação com o aprendizado do inglês), mas a assinatura torna indefinido o convite para a ação: Venha conhecer nossas unidades…

E você o que achou? Comente.

Gostou desta análise? Não deixe de ver a de outros comerciais.


Este artigo foi desenvolvido pela Agência de Marketing Top Asiole.

 

Além de preparar conteúdos interessantes para você, nosso maior talento é buscar soluções inovadoras e eficientes para posicionar sua empresa de forma mais competitiva no mercado.

Quer saber mais sobre o que uma agência de comunicação integrada pode fazer por sua empresa?

Consulte-nos: (11) 98609-7504

8 comments
  • Anônimo disse:

    mas qual o problema em ser autodidata ?

  • Caro Anônimo,
    Obrigado pelo seu comentário.
    Realmente não há nenhum problema em ser autodidata, porém o intuito do comercial é fazer propaganda da escola de inglês, e se a criança tem a capacidade de aprender sozinha, pra que pagar uma escola? Da forma como foi elaborada a propaganda vende mais a imagem da caneta do que da escola. O que você acha? Comente
    Abraços,
    (",('o',)

  • Anônimo disse:

    O papel da escola é formar alunos autônomos e não depositar o comnhecimento em suas mentes.

  • Olá, anônimo,
    Que bom que este assunto tem possibilitado a troca de opiniões entre nós.
    Concordo que o papel da escola é fazer o aluno pensar… Mas o que você acha de uma caneta que faz o trabalho pela criança, sem que ela precise raciocinar ou reter as informações que obteve (traduções)?
    A meu ver esta tecnologia, sem o respaldo da escola, também promove a formação de alunos que não são autônomos, pois a tradução pronta que a caneta oferece pode fazer com que o aluno se acomode e não tenha segurança para fazer uma tradução sozinho.
    O que você acha?
    Abraços ("('o',)

  • Anônimo disse:

    Essa canetinha é uma jogada de marketing. O certo seria escolher escola de inglês pela qualificação do professor e não pelo brinde que dão por ocasião da matrícula. Falsos atrativos revelam preocupação excessiva com o lucro do comércio, não é bom sinal. Nada como um professor bom e bem pago …

  • Anônimo disse:

    Além disso, o método wizard se baseia em repetição, decoreba e tradução. É o q se fazia nos anos 50. Pra lá de ultrapassado. Porém muito útil para um esquema de franquia que se propõe em primeiro lugar a ganhar dinheiro. O importante é não depender de professores qualificados e colocar toda ênfase da propaganda nos materiais (livro, CD, canetinha), os quais garantem o lucro do franqueador.

  • Olá anônimo,
    Realmente o marketing tem um grande poder na comunicação, além de ser uma ótima ferramenta para alcançar os objetivos da empresa. Afinal é para isso que ele existe. Porém, concordo com você que não deve ser usado para passar uma mensagem de forma distorcida…
    Agradecemos seu comentário.
    Um abraço
    ("('o',)

  • Oi anônimo,

    Quanto ao método da wizard, não posso opinar pois não conheço.

    De qualquer forma, continue comentando!
    Abraços
    ("('o',)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *