Análise de comerciais e seu processo criativo

Este artigo inaugura uma série cujo objetivo é analisar comerciais e peças publicitárias tentando entender, dentro do processo criativo, quais mensagens ele se propõe a passar, e quais as mensagens (às vezes subjetivas) que ele realmente passa.

Nossa intenção não é criticar o trabalho das agências/produtoras ou questionar a qualidade do produto, mas levantar questões que podem ter passado despercebidas inclusive pelo cliente e criadores da campanha.

O processo criativo de uma campanha envolve várias etapas que precisam ser estudadas a fim de que o propósito seja alcançado.

Vamos começar analisando o comercial da Moto Dafra:

Sinopse: Uma moto Dafra modelo Apache compete dentro de uma piscina numa prova de natação com Cesar Cielo e vence.

Mensagens que a propaganda deveria passar segundo nossa análise:

– A moto Apache tem ótima aceleração

Explicação: Podemos chegar a esta conclusão já que o comercial mostra a moto vencendo a competição

– A moto ou seus componentes não enferrujam, por isso podem entrar na água.

Explicação: Se a moto não é um veículo aquático, o fato do comercial explorar este aspecto, parece ser com o objetivo de valorizar a qualidade anti-ferrugem da moto.

Mensagens que efetivamente o comercial passa segundo nossa análise:

– A moto Apache não é tão rápida assim (pois teve que competir com um ser humano)

Explicação: A competição entre uma máquina e um ser humano rebaixa o desempenho da máquina mesmo que ela saia vencedora, pois sempre enxergaremos a máquina em vantagem, visto que ela automatiza a tarefa (a menos que esteja com defeito). Desta forma, não estamos explorando todo o seu potencial. É como comparar cebola com abacaxi, não dá, né?

Porém quando a comparamos com outra máquina, aí sim podemos realmente avaliar seu desempenho.

Portanto, podemos subentender que a partir do momento que optou-se pela comparação com um ser humano foi porque não se queria comparar o desempenho da moto em questão com outras motos…

– A moto Apache é automatizada

Explicação: Como a moto “nada” sem piloto ela foi projetada para realizar tarefas sozinha.

 

Nossa sugestão de um processo criativo usando esta mesma ideia:

Já que o nome da moto é Apache, uma tribo indígena, a competição deveria ser entre a moto e uma flecha que é o principal instrumento dos índios.

O cenário poderia ser bem rústico com pedras e irregularidades no terreno para mostrar que a moto enfrenta qualquer desafio e ainda obtém um excelente desempenho conseguindo vencer de uma flecha que também é sinônimo de velocidade.

Trazendo para um contexto atual e esportivo, como se pretendeu com o comercial original, teríamos um arqueiro de competições olímpicas e uma flecha com tecnologia de ponta o que valorizaria ainda mais a capacidade da moto e a colocaria neste patamar tecnológico.

Talvez hajam outras mensagens subentendidas neste comercial. Isto depende da interpretação de cada um. Queremos saber que mensagens este comercial passa para você. Deixe um comentário e compartilhe sua opinião.


Este artigo foi desenvolvido pela Agência de Marketing Top Asiole.

 

Além de preparar conteúdos interessantes para você, nosso maior talento é buscar soluções inovadoras e eficientes para posicionar sua empresa de forma mais competitiva no mercado.

Quer saber mais sobre o que uma agência de comunicação integrada pode fazer por sua empresa?

Consulte-nos: (11) 98609-7504

5 comments
  • Anônimo disse:

    Prezados senhores :

    Bom dia !

    Estive dias desses pensando em um comercial que falasse sobre a importância de se usar capacete …
    Na verdade sou mais um dentre milhões , que acha que criou algo que possa dar certo …
    É meio irônico , mas acredito que haja algum proveito :

    A cena é o seguinte :

    A jovem sai de casa com o namorado , mas com o capacete em punho …
    O namorado porém não se importa em levá-lo …
    A namorada por sua vez o repreende e , o faz lembrar da importância vital de se usar o acessório …
    Um tanto quanto irritado ele ainda assim acaba por aceitar a repreensão e , por fim , coloca o capacete e segue para a praia , conforme o combinado …
    No entanto , ao se aproximarem do seu destino , acabam por colidirem com um caminhão em alta velocidade …
    Conclusão : Na calçada aparecem somente as cabeças dos dois , com os seus devidos capacetes com o seguinte diálogo da namorada :

    '' Eu não te disse querido que o capacete é um acessório indispensável e que salva vidas …???''

    Gente : Sou radialista , imitador e desejo ter uma boa idéia divulgada … Quem sabe é agora a hora …???

    Abraços á todos e … Muito sucesso !!!

    Silvio : s.ferreira.moraes@bol.com.br

  • Oi Silvio, Agradecemos seu comentário. Achamos sua idéia bem interessante para uma charge. Percebe-se que você é bom no lado humorístico! Para um comercial de TV, vc não acha que esta idéia é um pouco agressiva? Talvez precise de algumas adaptações. Parabéns por tentar promover a conscientização do uso do capacete. Sucesso em suas criações! (",('o',)

  • Carlos disse:

    A idéia não é de todo ruim, mas a execução deixou muito a desejar! A imagem não convence, dá para ver que foi montagem – e das ruins. Poderiam ter filmado com um piloto em uma área com água rasa e fazer a montagem final. Da maneira como foi colocada, ficou infantilizada a imagem da moto… Mas gostei da idéia da flexa.

  • Olá Carlos,
    Obrigado por compartilhar sua opinião.
    Também achamos que a ideia original de explorar o tema competição não foi totalmente ruim, o que faltou foi analisar todas as interpretações possíveis que o comercial proporcionaria nos telespectadores…
    Nossa sugestão usando a flecha foi para mostrar que é possível aplicar outras soluções a um mesmo conceito criativo. Existem muitas outras possibilidades para este mesmo tema… é só usar a criatividade.
    Um abraço (",('o',)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *